contos de todos os cantos

O Coliseu: A Arena Romana da Morte

O Coliseu, Arena Romana da Morte

Localizado ao leste do Fórum Romano, o imponente edifício do Coliseu se destaca como o maior anfiteatro já construído na antiguidade. Em tempos passados, uma grande multidão, possivelmente chegando a 60.000 espectadores, costumava encher seus assentos.

No entanto, o entretenimento oferecido ali era sombrio, pois o anfiteatro servia como palco para espetáculos sangrentos. Gladiadores lutavam até a morte na arena, buscando a adulação das massas sedentas por violência e derramamento de sangue.

Outros combatentes batalhavam por prêmios oferecidos pelo império, enquanto animais selvagens e exóticos eram trazidos de diversas regiões para saciar a curiosidade do público, apenas para serem abatidos logo em seguida. E ainda havia os condenados à morte, cujo destino era executado no Coliseu, proporcionando entretenimento macabro para outros espectadores.

As ruínas do Coliseu. (Imagem: Wikimedia Commons CC BY-SA 4.0)

A história do Coliseu nos oferece uma visão da sociedade antiga e das dinâmicas políticas que moldavam o império. A manipulação da arquitetura, do entretenimento e das emoções populares permitia que diversos imperadores manchassem os legados de seus predecessores, celebrassem sua própria generosidade ou, em alguns casos, se entregassem a megalomania desenfreada.

Contudo, além disso, o Coliseu também revela informações sobre a vida após a antiguidade. Como essa imensa estrutura sobreviveu ao longo dos séculos, desde a era medieval até os tempos modernos, tornando-se um símbolo da herança italiana no mundo contemporâneo? E o que esse monumento, que testemunhou inúmeras tragédias e derramamento de sangue, representa para os visitantes dos dias atuais?

 

As origens do Coliseu

O Coliseu, majestoso anfiteatro, foi erguido no vale situado entre os montes Célio, Esquilino e Palatino, em Roma. Sua história remonta ao ano 64 a.C., quando essa área da cidade foi devastada por um terrível incêndio.

A grande conflagração deixou uma oportunidade para o imperador Nero utilizar o espaço em benefício próprio, resultando na construção de sua infame Domus Aurea, conhecida como a “Casa Dourada” de Nero, uma manifestação arquitetônica de seu senso de superioridade.

Visão geral do interior do Coliseu em uma gravura de 1776 de Giovanni Battista Piranesi. (Domínio Público)

Entretanto, a popularidade de Nero declinou rapidamente, e em 68 d.C., o império mergulhou em uma guerra civil com quatro competidores pelo poder. Vespasiano, um desses aspirantes ao trono, emergiu vitorioso como o novo imperador. Ele e seus filhos, Tito e Domiciano, da Dinastia Flaviana, empenharam-se em restaurar Roma e apagar o legado negativo deixado por Nero.

Para simbolizar essa mudança e devolver o espaço ao uso público, a Domus Aurea teve que ser desmantelada. Assim, em torno do ano 70 d.C., teve início a construção do grandioso Anfiteatro. Seu financiamento provinha da riqueza saqueada pelos imperadores durante a Primeira Guerra Judaico-Romana, quando o Templo de Jerusalém foi pilhado.

Esse monumento, além de servir como local de diversão popular, também se tornou um símbolo das ações benevolentes do império no coração da capital romana.

 

A relação dos Imperadores e da Arena

Assim como os imperadores da Dinastia Flaviana, os governantes que vieram após eles perceberam a importância política do Coliseu, situado no coração da capital imperial. Os sucessores dos Flavianos seguiram o exemplo e investiram na vasta arena, tanto em eventos de entretenimento como na própria estrutura do anfiteatro.

Relatos dos jogos inaugurais organizados pelo imperador Tito, registrados por Dião Cássio, sugerem a grandiosidade desses espetáculos. Cerca de 9.000 animais selvagens foram mortos na arena, além de combates entre gladiadores individuais, grupos de homens, batalhas navais e corridas de cavalos.

O imperador Domiciano, embora não seja lembrado com afeto, adicionou assentos adicionais aos níveis superiores da arena para embelezar o legado de sua família na capital imperial. No entanto, em 217 d.C., um incêndio causado por um raio causou sérios danos à arena, especialmente nos pisos de madeira dos níveis superiores. Trabalhos de reparo foram realizados ao longo do terceiro século.

Pollice Verso ( polegar para baixo ) de Jean-Léon Gérôme , 1872. (Domínio Público)

Apesar de ser um lugar de entretenimento popular, o Coliseu também foi palco de eventos depravados e cruéis, revelando os piores excessos dos imperadores. Uma teoria sugere que o nome “Coliseu” deriva do Colosso de Nero, uma enorme estátua de bronze do imperador que originalmente ficava no vestíbulo da Domus Aurea.

Após a morte de Nero, a estátua foi transferida para uma plataforma fora da arena, com o rosto modificado para representar o deus-sol Sol. No entanto, ao longo do tempo, o imperador Commodus modificou novamente a estátua, representando-se a si mesmo na figura de Hércules, como pode ser visto no medalhão de Gordian acima.

Commodus, talvez o imperador mais fortemente associado ao Coliseu, era conhecido por sua predileção em atuar como gladiador. Filho de Marco Aurélio, ele participava de eventos na arena, alegando nunca ter sido derrotado, embora seus oponentes se rendessem em vez de atacá-lo, devido ao seu status de imperador.

Além disso, ele tirava a vida de dezenas de animais exóticos em espetáculos macabros. Um evento particularmente horrível envolveu Commodus carregando a cabeça decapitada de um avestruz diante da plateia, enquanto acenava para os políticos idosos, insinuando que eles seriam os próximos…

 

Os Gladiadores em Roma

Os gladiadores de Roma, aclamados esportistas de sua época, protagonizavam espetáculos emocionantes para o entretenimento da capital imperial. Contudo, muitos deles provinham das camadas mais baixas da sociedade, frequentemente sendo escravos ou criminosos condenados à morte. Alguns, como Spartacus, ousaram se rebelar contra seu destino, embora nem sempre obtivessem sucesso.

Outros conquistaram fama, notoriedade e, em alguns casos, até riqueza considerável. Por suas habilidades, os gladiadores eram altamente valorizados e costumavam receber prêmios em dinheiro e outros presentes. Segundo relatos de Suetônio, o imperador Tibério chegou a oferecer até 100.000 sestércios a diversos gladiadores aposentados para que retornassem à arena!

Eles passavam por treinamentos em escolas especializadas, sendo a maior delas em Roma, o Ludus Magnus, construído por Domiciano no final do século I d.C., localizado a leste do Coliseu.

Ave Imperator, morituri te salutant (Salve, César, os que vão morrer te saúdam), de Jean-Léon Gérôme , 1859. (Domínio Público)

Os espetáculos na arena, conhecidos como “munera”, eram sempre financiados por ricos particulares. No Coliseu, esse papel cabia ao próprio imperador, proporcionando uma oportunidade para o príncipe mostrar sua generosidade ao povo comum.

As caçadas de animais na arena, conhecidas como “venationes” (ou “venatio” individual), não só exibiam o poder imperial, mas também demonstravam sua opulência. Animais exóticos de diversas partes do império eram trazidos a Roma para participar dessas caçadas, como retratado de forma fabulosa em vários mosaicos que chegaram aos dias atuais desde a antiguidade.

Esses espetáculos eram encenados com elaborados cenários e podiam durar vários dias. Um dos mais famosos foi organizado por Trajano em comemoração à conquista de Dacia, com 107 competições envolvendo mais de 10.000 gladiadores, realizadas ao longo de 123 dias.

 

O Coliseu, uma Maravilha Arquitetônica

O Coliseu é uma maravilha arquitetônica que perdura ao longo do tempo. A palavra “anfiteatro” significa literalmente ‘teatro ao redor’, e a estrutura pode ser melhor compreendida como a união de dois teatros clássicos. No entanto, ao contrário dos teatros gregos clássicos, que geralmente se aproveitavam da topografia natural, o anfiteatro romano era uma construção totalmente independente.

A própria forma do Coliseu é elíptica, medindo 189 metros de comprimento e 156 metros de largura, com uma imponente parede externa que se eleva a 48 metros de altura. O piso da arena é oval, medindo 87 metros de comprimento por 55 metros de largura, e era separado do público ávido por sangue por uma parede de 5 metros de altura.

Um mapa do centro de Roma durante o Império Romano, com o Coliseu no canto superior direito. (Domínio Público)

A fachada externa do Coliseu é uma impressionante combinação de ordens arquitetônicas, com colunas dóricas na base, jônicas no meio e, finalmente, elaboradas folhas de acanto adornando as colunas coríntias no nível superior. Embora não existam mais, havia cerca de 240 mísulas de mastro ao redor do topo do sótão. Essas mísulas sustentavam um toldo retrátil que protegia os espectadores do sol escaldante da Itália.

A base do Coliseu possuía 80 entradas separadas, cujos números ainda podem ser vistos pelos visitantes hoje em dia. Estimativas modernas sugerem que o número de espectadores era em torno de 50.000, acomodados em fileiras no interior. Essa distribuição provavelmente refletia a hierarquia estrita da sociedade romana, onde quanto mais alta a posição social, melhor o assento nos jogos.

Sob o piso da arena, havia uma estrutura subterrânea chamada “hipogeu”, também construída por Domiciano. Essa área era composta por uma série de túneis e outros recursos logísticos cruciais para a realização dos espetáculos acima da arena.

 

A Variedade de Anfiteatros no Império Romano

Embora o Coliseu se destaque como o maior anfiteatro do mundo antigo, ele está longe de ser a única arena desse tipo. Descobrimos cerca de 230 anfiteatros espalhados pelas extensões do Império Romano, desde a Grã-Bretanha, ao norte, até a Tunísia, ao sul. O mais antigo deles remonta ao período republicano e possivelmente pertence à região de Capua, na Itália.

Contudo, muitas das estruturas permanentes são datadas do período imperial. Entre essas, destaca-se a arena de Pompéia, cuja datação segura pelos arqueólogos a coloca pouco depois de 70 a.C.

Interior do Coliseu, Roma (1832) por Thomas Cole, mostrando as Estações da Cruz ao redor da arena e a extensa vegetação. (Domínio Público)

Posteriormente, durante o período imperial, os anfiteatros tornaram-se uma característica comum da paisagem urbana romana, demonstrando a disseminação das normas culturais romanas em outras sociedades. Essas grandiosas estruturas permanentes se tornaram espaços de competição entre vilas e cidades, almejando preeminência no império.

Com isso, as arenas foram crescendo em tamanho, sofisticação e elaboração decorativa. Além disso, algumas dessas construções podem refletir os gostos pessoais dos próprios imperadores.

Um exemplo notável é o quinto maior anfiteatro do mundo, construído em Itálica, localizado na região da Andaluzia, sul da Espanha. Foi nessa cidade que os imperadores Trajano e Adriano tiveram suas residências. Durante o reinado de Adriano (117-138 EC), ele encomendou a construção dessa impressionante estrutura.

Assim, os anfiteatros não apenas representavam o entretenimento popular, mas também serviam como símbolos do poder, status e influência da cultura romana no vasto território do Império Romano.

 

O Coliseu e a Associação com o Martírio Cristão

Dentro da consciência coletiva cristã, o Coliseu é visto como um local simbólico de martírio. A tradição histórica da Igreja o apresenta como um dos principais lugares onde as perseguições contra a fé cristã atingiram um terrível ápice de derramamento de sangue.

Um exemplo notável é a história relatada por Irineu, que viveu por volta de 202 EC. Ele descreve como Inácio de Antioquia, um bispo grego, foi levado de sua cidade natal na Síria e transportado para Roma, onde foi lançado como alimento para leões no ano de 107 EC, como entretenimento para os romanos. Entretanto, evidências específicas de que esse martírio ocorreu no Coliseu, ou mesmo em Roma, são escassas.

A associação do Coliseu com os primeiros mártires cristãos é ainda mais complexa devido à aparente falta de reverência demonstrada à estrutura durante a Idade Média.

Em uma época em que locais associados a martírios eram geralmente venerados, o Coliseu foi, na verdade, saqueado e transformado em uma vasta pedreira de onde materiais de construção eram retirados no centro de Roma. Além disso, não estava incluído nos itinerários compilados para peregrinos.

O livro “Mirabilia Urbis Romae” do século XII (“Maravilhas da Cidade de Roma”), em vez disso, identifica o Circus Flaminius como o local de martírios cristãos. No entanto, é conhecido que uma pequena capela foi construída na arena no século VI, embora isso não deva ser interpretado como um significado religioso mais amplo atribuído à estrutura.

A última oração dos mártires cristãos , de Jean-Léon Gérôme (1883). (Domínio Público)

Mesmo assim, o Coliseu claramente cativou a imaginação das comunidades cristãs em Roma. Os artistas, em particular, encontraram na representação do martírio cristão na maior arena de Roma um tema evocativo e emocional para suas pinturas.

O Papa Pio V (1566-1572) teria incentivado os peregrinos a ver a areia da arena do Coliseu como uma relíquia, argumentando que ela era rica com o sangue dos mártires (embora nem todos de sua época concordassem). As associações com a fé cristã provavelmente ajudaram a preservar os restos da estrutura e, certamente, afastaram os planos de transformar a arena em uma praça de touros, como foi proposto pelo cardeal Altieri.

Em 1675, o Papa Clemente X declarou a estrutura um santuário. Posteriormente, estações da Cruz foram erguidas ao redor do Coliseu pelo Papa Bento XIV em meados do século XVIII. A conexão perdura, e hoje uma cruz cristã pode ser vista no Coliseu, acompanhada por uma placa que dedica o local ao sofrimento dos mártires que purificaram a arena de suas antigas superstições ímpias.

 

A Longa Jornada do Coliseu: De Arena a Atração Turística

O declínio do Coliseu como arena foi um processo longo e gradual. No final do século IV d.C., as lutas de gladiadores foram proibidas por Honório. No entanto, a estrutura continuou sendo um local importante em Roma, como evidenciado por inscrições epigráficas que indicam que Teodósio II e Valentiniano III – que reinaram no século V – realizaram restaurações na arena.

As caçadas romanas de bestas, conhecidas como “venationes”, ainda ocorriam até pelo menos 523, quando Anicius Maximus, um senador romano falecido, celebrou seu consulado com jogos. No entanto, o alto custo desses eventos atraiu críticas do rei ostrogodo Teodorico, o Grande, sinalizando mudanças nos tempos.

No século XIII, a arena foi transformada em um castelo, ocupado pela família Frangipani e fortificado. Durante a era dos papas, o Coliseu foi objeto de diversas propostas. No final do século XVI, o Papa Sisto V, um dos grandes reconstrutores de Roma, concebeu um plano para convertê-lo em uma fábrica de lã, a fim de fornecer emprego digno para as prostitutas da cidade. No entanto, sua morte prematura pôs fim a essa ideia.

Foi apenas no século XX, por meio de esforços arqueológicos, principalmente durante o governo de Benito Mussolini e dos fascistas, que a subestrutura da arena foi totalmente exposta. Hoje, o Coliseu continua sendo uma das atrações turísticas mais populares de Roma, atraindo milhões de visitantes todos os anos.

A magnífica arquitetura, a história de derramamento de sangue e a fascinante conexão com imperadores e papas da Renascença tornam a visita a esta imponente estrutura uma experiência inesquecível.

 

Resumindo

O Coliseu sempre cativou a imaginação de artistas que visitaram Roma, sendo uma parada obrigatória no famoso Grand Tour. Apesar de sua condição arruinada, a estrutura ainda era uma fonte inesgotável de inspiração romântica para eles. O renomado poeta romântico Lord Byron, em seu poema narrativo “Childe Harold’s Pilgrimage”, publicado entre 1812 e 1818, pintou uma imagem particularmente evocativa do Coliseu. Essas expressões artísticas e o contínuo apelo do Coliseu como um ícone da história romana e italiana refletem sua importância duradoura para pessoas de todo o mundo.

Conheça os melhores contos e lendas de todos os cantos do mundo!

Saiba tudo sobre a história das civilizações do mundo!

Conheça a mitologia de todos os cantos do mundo!

O canal “Contos de Todos os Cantos”, é um lugar onde você pode mergulhar em narrativas fascinantes e descobrir a rica história, mitologia, contos e lendas de todos os cantos do mundo. Aqui, você encontrará vídeos cativantes que exploram as histórias por trás das civilizações antigas, deuses e deusas, heróis e heroínas, e muito mais.

Se você é um amante de histórias e cultura, venha se juntar a nós em uma jornada emocionante através do tempo e do espaço. Inscreva-se em nosso canal e prepare-se para se maravilhar com as histórias incríveis que o mundo tem para contar.

Deixe nos comentários quais contos e lendas você gostaria de ver por aqui! Evoé!

 

One thought on “O Coliseu: A Arena Romana da Morte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *