contos de todos os cantos

Hera, a Rainha dos Deuses Gregos

Hera, a Rainha dos Deuses Gregos

Hera, na mitologia grega, desempenha o papel de consorte de Zeus, sendo reconhecida como a rainha dos antigos deuses helênicos. Ela personifica o ideal feminino, sendo venerada como a divindade do matrimônio e da estrutura familiar, além de ser a guardiã das mulheres durante o processo de parturição.

Embora sempre tenha mantido sua fidelidade a Zeus, sua natureza possessiva e propensa à retaliação é amplamente conhecida, especialmente quando se trata das amantes e prole ilegítima de seu cônjuge.

 

Origens e Ancestralidade

Hera é fruto da linhagem de Cronos e Reia, na tradição mitológica grega. Seus filhos incluem Ares, o deus da guerra, Hebe, a deusa da juventude, e Eileithyia, a divindade associada ao processo de parto, todos gerados por meio de sua união com Zeus.

Hefesto, o deus da metalurgia, também é considerado seu filho, embora sua concepção seja singular, pois Hera o trouxe à existência sem a participação de Zeus, como forma de retaliação pelo nascimento de Atena, que também surgiu de maneira independente. Contudo, os mitos variam: em alguns relatos, Hefesto foi expulso do Monte Olimpo por sua mãe devido à sua aparência desfavorecida, resultando em sua coxeadura.

Em outras versões, Zeus o lançou dos céus devido à sua deficiência. Independentemente da versão, Hefesto nutriu ressentimento em relação a Hera e chegou a aprisioná-la em um trono especial. Sua libertação só ocorreu quando a deusa prometeu entregar a mão de Afrodite em casamento ao filho.

 

Representação e Símbolos

Como uma das deidades centrais do panteão grego, Hera desempenha um papel de destaque na iconografia da Grécia Antiga, notadamente nas representações cerâmicas áticas em estilo de figuras vermelhas e negras.

Entretanto, é desafiador diferenciá-la de outras deusas, uma vez que frequentemente carece de atributos distintos. Ela é frequentemente retratada sentada em um trono, ocasionalmente usando uma coroa chamada “polos”, segurando um cetro real e coberta por um véu nupcial.

Em algumas representações, segura uma romã, símbolo tradicional de fertilidade. Outras associações incluem o pavão, que simboliza o orgulho, e o cuco, a forma que Zeus adotou ao cortejar Hera, ambos animais que a deusa mantinha como animais de estimação no Monte Olimpo. Por fim, ela também é ligada à flor de lírio.

 

Confrontando a Infidelidade Divina

Hera, a rainha dos deuses na mitologia grega, empenhou-se em combater incansavelmente a infidelidade de seu esposo, Zeus, recorrendo frequentemente à vingança. Um exemplo é o mito envolvendo Leto, que foi afligida pelas maldições da deusa ao buscar abrigo enquanto grávida.

Após uma árdua jornada, Leto finalmente encontrou refúgio em Delos, onde deu à luz Apolo, embora Hera tenha estendido o trabalho de parto através de sua filha Eileithyia.

 

Intrigas e Transformações

A trama entre Hera, Zeus e Io é notória em várias versões. Algumas narrativas mostram Io, outrora sacerdotisa e ex-princesa de Argos, sendo transformada em uma vaca por Hera ou Zeus. Para encobrir seus avanços, Zeus a transformou para se encontrar em segredo ou persuadir a deusa.

Enfurecida, Hera tomou a custódia de Io e instalou Argos, com cem olhos, para protegê-la. Por intermédio de Hermes, Zeus pôs Argos para dormir e o matou. Em homenagem a Argos, ela fixou seus cem olhos nas penas do pavão.

 

A Fúria e as Vítimas de Hera

Hera continuou a manifestar seu ciúme ao direcionar sua raiva contra diversas amantes de Zeus. Semele foi enganada para pedir que Zeus se revelasse em sua forma divina, o que resultou em sua morte. Callisto, outra amante, foi transformada em urso e perseguida por Artemis, antes de ser transformada em constelação por Zeus.

A fúria de Hera também se voltou contra Hércules, o filho de Zeus. Ela tentou prejudicá-lo em seu nascimento, enviou serpentes para matá-lo e tramou para que ele cometesse atos terríveis, incluindo matar sua família. Ela também desencadeou monstros como o leão de Nemeia e o dragão Ladon contra ele. No entanto, a deusa também mostrou favorecimento ao herói Jasão, quando ele a auxiliou disfarçada de velha.

 

Punições e Sofrimento Eterno

Hera não poupou esforços em punir aqueles que a desafiaram. Ixion foi condenado a girar eternamente em uma roda no Hades por tentar seduzi-la, enquanto Tityos teve seu fígado devorado por um abutre diariamente, como consequência de sua indiscrição.

 

Lugares Sagrados Associados a Hera

Hera ocupou uma posição de destaque na esfera religiosa da Grécia Antiga. Ela desempenhou o papel de patrona em diversos lugares sagrados, refletindo sua importância no culto. Em Argos, desde o período por volta do século VIII a.C., era reverenciada através de um santuário dedicado à deusa.

Olímpia também ergueu um templo em honra a Hera entre 650 e 600 a.C., enquanto Tiryns, durante o século VII a.C., se destacava como um proeminente centro de adoração à deusa.

O Templo de Hera em Agrigento, Magna Grécia. (Imagem: Wikimedia Commons CC BY-SA 4.0)

A ilha de Samos, que em algumas narrativas era apontada como o local de nascimento de Hera, ostentava uma rica história de culto à deusa que remontava ao período micênico, cerca do segundo milênio a.C.

A partir do século VIII a.C., floresceu um grande centro de veneração, perdurando até a era romana. Em Elis, a divindade também era altamente estimada, evidenciada pelas representações da deusa em moedas datadas dos séculos V e IV a.C.

Por toda a Grécia, celebrações religiosas em homenagem a Hera eram realizadas. Os Heraia, competições esportivas exclusivamente para mulheres, ocorriam como parte desse culto. Além disso, os festivais anuais de casamento, conhecidos como “hierogamia”, proporcionavam aos casais a oportunidade de reencenar a união divina entre Zeus e Hera, consolidando assim o vínculo com a divindade.

 

Conheça os melhores contos e lendas de todos os cantos do mundo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *